História PDF Imprimir E-mail

A “Casa Ti José Borges” é uma antiga casa típica do “Ramo Grande”, a denominação da grande planície da ilha Terceira, conhecida pela sua riqueza económica e cultural.
Recuperando e preservando vivencias e costumes típicos da ilha, o empreendimento turístico demonstra com autenticidade a verdadeira forma de a viver e sentir.
A casa está na propriedade da família desde tempos imemoriais, sendo a referência que a identifica originada pela proximidade temporal de um dos seus mais insignes representantes, que aqui nasceu em 1889.
José Borges foi um “homem bom” da, então, freguesia das Lajes, conhecido pelas suas qualidades pessoais como proprietário e conceituado agricultor e pelo bem que fez aos outros e à sua terra. Como reconhecimento da sua personalidade, a rua que dá acesso à “Casa Ti José Borges” tem o seu nome.
José Borges Leal de Menezes Júnior, de seu nome completo, descende das mais antigas e representativas famílias da ilha Terceira, sendo que o ramo geneológico do qual descende directamente se fixou nas Lajes desde o século XVI.
Com efeito, José Borges descende directamente de Gaspar Camelo do Rego, ouvidor, capitão-mor, vereador e juiz ordinário da Praia da Vitória, onde viveu, vindo da ilha de São Miguel, nos finais do século XVI e início do século XVII, tendo casado com D Catarina Cardoso Evangelho trineta de Álvaro Martins Homem, “fidalgo da casa da Infanta D. Beatriz”, que “veio para a Terceira cerca de 1461 e foi o 1º capitão donatário da Praia, por carta da dita infanta, dada em Évora a 14.2.1474”.
Estamos, assim, perante uma casa que identifica o viver típico de uma zona importante da vida económica, social e cultural da ilha Terceira, ao mesmo tempo que representa séculos da História da ligação de uma família a um lugar.
Dos primeiros povoadores da ilha até aos nossos dias, muito tempo passou e muita gente viveu esta terra.
Esta casa, pela obra de preservação e recuperação que lhe dedicaram os seus actuais proprietários – neto de José Borges Leal de Menezes -, é, na verdade, uma sentida homenagem aos antepassados e à ilha! No fundo, às gentes e à terra!...